segunda-feira, 23 de dezembro de 2013

É Nataal!!!



Natal é uma linda época do ano, especialmente para quem gosta. Lindos enfeites e luzes piscando compõem uma cena encantadora (se você for na cidade certa, é claro.)
A bondade toma conta.Milhares de brinquedos e reais são doados para entidades carentes.Famílias, na maioria das vezes, vencem suas diferenças e se reúnem sem discussões. O caminhão da coca-cola, passa por algumas ruas, impressionando olhos curiosos, com tantas luzes e musica.
Lojas lotam e prolongam seu expediente, obviamente para aumentar as vendas. O consumismo é comum, mas se torna bem mais explícito nesse período.
Loja de brinquedos, três palavras que se tornam um palavrão se pronunciadas perto de pais esgotados após um longo dia de compras para seus filhos.
A história se repete a cada ano, perdendo um pouco seu sentido original, o que é lamentável. Crianças acreditam em Papai Noel não pela história, mas sim para ganharem o que desejam. Quantos deles sabem onde a história do bom velhinho iniciou? O que aconteceu com o nascimento de Cristo?  Brinquedos se tornaram mais importantes para alguns. O valor monetário veio acima do valor cultural e espiritual.
Mas ainda sim, alimento minhas esperanças, quem sabe algum dia essa situação mude...
Adoro acreditar na magia do natal, receber presentes, afinal, quem não gosta? Mas é claro, mantendo a tradição, sabendo o real significado de tanta festa.
Natal, é um momento de alegria, especial e de comemoração. É quando se para, ao menos por um instante e aprecia o amor que envolve a família. Pode ser de 2,3,4 ou até 40 pessoas, não importa. O que vale é o momento e o quão mágico ele se torna quando tem amor.

                           Um Feliz Natal a todos!!!

sexta-feira, 20 de dezembro de 2013

A de aprovada!



Aquela sensação de missão cumprida, de alivio. O sentimento que te faz ter vontade de cantar sozinho na rua, dançar, cumprimentar estranhos, fazer loucuras e aproveitar o momento. Felicidade e realização, estão comigo agora.
Uma nova fase vai iniciar, mas até lá, tenho as férias para aproveitar e relaxar. Altos planos. O medo do novo e a insegurança do futuro me incomodam como uma pulguinha atrás da orelha. Mas prefiro ignora-la.
Ai ai, tranquila é a palavra. Saber que não preciso acordar cedo no outro dia é quase uma benção.
Levantar sem plano nenhum e no fim do dia, refletir e perceber que milhares de coisas legais e divertidas foram feitas. Sem horários, sem preocupações. Só de pensar nisso já surge um sorriso. Irei cultiva-lo.
Me afastar um pouco das tecnologias é uma das minhas metas. Bem  como perder alguns quilinhos né (quem nunca?). Mas acima de tudo, quero me divertir, muito! Essas férias vão ser supimpas!

sábado, 14 de dezembro de 2013

Perda



Hoje recebi uma noticia MUITO triste, que me deixou de queixo caído.
Um amigo, não muito próximo, mas ainda sim um amigo, morreu em um acidente de carro. Ele era uma pessoa extraordinariamente querida e que sabia o valor da vida, ele era muito especial. É tão deprimente falar/escrever a palavra ERA. É mais deprimente ainda só sentir o valor real de uma pessoa após sua morte e acumular arrependimentos. Aquela culpa por não ter cumprimentado a pessoa em um evento pela simples preguiça de levantar e ir até ela. Por não ter iniciado uma boa conversa, mesmo que pelo Facebook, trocado ideias, experiencias.
Perder algo, é relativo. Diariamente perdemos muitas coisas, desde a linha do raciocínio até objetos materiais, mas nada se compara com a falta que sentimos ao perder pessoas. Pode ser alguém muito próximo, alguém um pouco mais distante ou um simples conhecido. Ainda sim, de alguma forma nos surpreendemos e sofremos com a perda.
 Sou uma daquelas pessoas que acredita fielmente que Deus tem tudo planejado, que viemos para cumprir uma missão. Assim que soube da sua morte, percebi que ele tinha cumprido a sua.
Momentos como esse nos fazem valorizar a vida, ele tinha a minha idade. Ninguém está imune.
Não digo que devemos viver loucamente como se não houvesse amanhã, mas que devemos curtir a vida porque a vida é curta. Curtir enquanto construímos a nossa história. Viver o momento, porque ele passa.
De alguma forma, devemos encontrar uma maneira de superar perdas como essa, escrever esse post foi a minha. Sinto muito por não ter passado mais momentos com ele, ou por não ter dito a ele o quão bom ele era. Que Deus o tenha!!

quinta-feira, 12 de dezembro de 2013

Inesperado!



É incrível o poder que Deus tem de fazer as coisas melhorarem. Depois de vários altos e baixos. Entre notas baixas e elogios (muito positivos e incentivadores). Bem no meio de um tumulto, coisas boas e inesperadas acontecem.                                           Em plena quinta-feira, logo após duas provas dificílimas, espero meu namorado na escola, ele tinha combinado de me encontrar lá para almoçarmos juntos. Quando recebo uma mensagem dizendo que estava na Unimed. Logo me transformei, fiquei furiosa, decepcionada e magoada, sem nem pensar no motivo em si, mas no fato de ter sido “"abandonada".                                                        Como é boba a cabeça de uma adolescente né?
 Bom, continuando a história... Enquanto ia batendo os pés até a saída, encontro um ótimo amigo, que me escuta reclamar e choramingar até que então... atrás de uma arvore, surge O namorado com uma linda flor na mão... No mesmo instante me derreti mais rápido que manteiga no microondas.         Entre tapas e beijos, pedidos de desculpas e a emoção de ter sido surpreendida, fomos almoçar. Como era meio cedo, começamos a caminhar pelo centro. Passeamos por ruas conhecidas, observamos detalhes, lembramos de histórias, conversamos sobre coisas bobas.                              
 Até que então, a fome dominou, nos dirigimos até o restaurante, comi um sanduíche delicioso e eu, obviamente, não abri mão do meu tradicional Cookie de chocolate para a sobremesa.                      
 Assim que terminamos, viemos em direção a minha casa, quando inesperadamente no meio do caminho, bateu uma sede doida.. Paramos em um bar e compramos uma bebida bem gelada, resolvemos sentar no meio fio de uma rua sem saída. Apreciamos a bebida e saciamos nossa sede, como uma tradição, muito boa devo dizer.                                                                            
Viemos até minha casa, ele cumprimentou minha mãe, larguei meus materiais, resolvi postar uma foto Instagram, até que entre conversas aleatórias, uma brilhante ideia veio a nossa mente!              
Recentemente o Trensurb iniciou suas viagens de Novo Hamburgo até Porto Alegre, com testes gratuitos. Pois então: Pegamos uma garrafa de água, um "troquinho" (como diz a minha mãe), nossa simpatia e fomos nos divertir andando de trem, visitando a capital. Eu, iniciante na prática de "pegar o trem" dei um mini chilique (o que resultou um vídeo engraçado e vergonhoso) ao entrar no trem 120 (sim, eu anotei o número do trem), no inicio estava ansiosa, nervosa, mas logo percebi que era uma viagem tranquila. Observamos pessoas diferentes, a paisagem.
Decidimos descer na estação próxima ao aeroporto. Pegamos um aeromóvel (mais um ótimo teste gratuito), entramos no aeroporto, demos muitas voltas, tiramos várias fotos. Ficamos um bom tempo observando aviões decolarem e pousarem, imaginamos as pessoas dentro dos aviões, rimos da minha provável cara de nervosismo ao adentrar um avião pela primeira vez. Tomamos um sorvete, rimos com a atendente, tiramos mais fotos.                                                 
O tempo se esgotava, tivemos que voltar. Mas não sem antes comprarmos gomas de mascar de vários sabores. Passamos a viagem de volta inteira experimentando sabores diferentes, fazendo caretas para os ruins e sorrindo para os bons. Rapidamente, chegamos em casa, contamos para minha mãe nossas aventuras. E nosso dia se encerrou por aí.                                                  
Enfim, só quis compartilhar essa história, porque hoje foi um dia muito especial pra mim, inusitado, relaxante, simples e divertido. Agradeço muito ao meu namorado por isso. Percebi que assim como as coisas estão ruins, inesperadamente, elas podem ficar boas e aí surge a esperança de que no final, tudo vai dar certo!


quinta-feira, 5 de dezembro de 2013

Insatisfeita.



Sentimentos que confundem e complicam a minha mente não são novidade, especialmente para quem acompanha o meu blog. Mas, descobri algo novo, um sentimento antigo que finalmente consegui nomear.
Insatisfação: é o que eu sinto, não preenchida, não realizada, frustrada. Aquela sensação de que falta algo ou simplesmente não falta, mas algo abstrato me faz não conseguir alcançar meus objetivos.
Após um ano inteiro de esforços diários para vencer, temas, trabalhos e provas, eu peguei adicionais ( uma prova final com todo conteúdo do ano, em que tenho que tirar média 5 para passar para a próxima série).
Não há duvidas de que irei conseguir, mas há a frustração por não ter conseguido em primeira instancia. Frustração por não ter me esforçado o suficiente no inicio e mais uma promessa de maiores esforços para o ano seguinte, que por causa da minha provável imaturidade, não será cumprida.
Também há aquela sensação de não ser boa o suficiente, nada basta, nada serve. Qualquer coisa incomoda, o desespero bate. Quero um colo para me aninhar e lamentar pela minha falta de responsabilidade e ao mesmo tempo não me sinto confortável em admitir que errei, que fui burra. Não por não compreender a matéria, mas por ter desperdiçado meu tempo livre dormindo ao invés de abrir um livro e fazer uma boa leitura.
O medo de repetir os mesmos erros, ano após ano, até concluir os estudos me assombra. Espero que o "boom" da maturidade me atinja até lá. A insatisfação pode se transformar em motivação. Motivação para mudar, para estudar, para aprender. 
Resumidamente, é assim que o ciclo de um ano inteiro de aprendizado termina, com a insatisfação, o disperdicio de tempo e a energia depositada na direção errada.