segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Primeiro último dia de aula.



Primeiro ultimo dia de aula? Oi? É assim que os formandos do ensino médio chamaram o primeiro dia de aula do ano de 2014. Com muita alegria, preocupação e preguiça caminhamos com uma certa rapidez em direção ao futuro.
O primeiro dia de aula é energizante para aqueles que passaram as férias inteiras ligados na internet e não fizeram nada mais do que comer. Frustrante para aqueles que esperavam impressionar os colegas com um novo corte de cabelo ou qualquer mudança que é, ou ao menos deveria ser perceptível. Sem cor, para aqueles que viajaram para lugares lindos e paradisíacos, do qual não queriam ter voltado. Animado para aqueles que estavam morrendo de saudade da rotina.De dar nos nervos para aqueles que trocaram de escola e não sabem o que esperar, especialmente no terceiro ano.  E para finalizar, normal, para aqueles que tiveram exatamente o que esperavam. A mesma escola, no mesmo ritmo, com o mesmo uniforme e com as mesmas pessoas.
Alguns já iniciam o ano com os amigos de sempre, o grupo já formado. Alguns tem de fazer novos amigos e alguns como eu, simplesmente se adaptar. As professoras e professores aparecem. Explicam como funciona a aula, se apresentam, vez que outra fazem uma dinâmica e já jogam o conteúdo com a explicação de que o ano não será o suficiente para as matérias que tem de ser implantadas em nosso cérebro, afinal, o tempo é precioso e não pode ser desperdiçado.
Mas este ano, assim como os outros, muitos tiveram um diferencial. A explicação e a cobrança do tão temido ENEM, acompanhado do terrível vestibular. Aí entra aquela palavra, que nos faz temer e em alguns casos, quase chorar de alegria: Futuro! Sim, ele está logo ali, quase posso toca-lo. Mas tenho medo. Me fazem ter medo. O vestibular passou de uma prova para ingressar em alguma universidade para um bicho de sete cabeças, que, se eu não utilizar os golpes certos vai me esmagar como uma formiga. Tudo bem, eu entendo, é importante. Eu sei. Mas aí, o conhecimento se perde para o medo. Eu não vou estudar porque quero aprender e ser uma pessoa esperta. Vou estudar porque tenho medo de fracassar.
Mas espera aí, estudar para o que? Não sei nem o que vou comer amanhã, como irei saber o que quero estudar? Que faculdade cursar? Quais são minhas opções?
É, agora começou a ficar difícil, o que antes era uma simples imagem do futuro se tornou o presente. Sinto que devo correr, mas não sei a direção. O que sei é... Quero aproveitar! Sim aproveitar. Estudar para aprender, aproveitar meu tempo com meus colegas, passear pelos corredores que logo não serão mais frequentes em meu cotidiano. Observar os professores, sua forma de ensinar, seus jeitos e manias. Vou sentir falta disso e quero me lembrar. Pois muitos dizem: essa é a melhor fase da vida. Então vamos viver ela. Um dia de cada vez.

Nenhum comentário:

Postar um comentário