quinta-feira, 20 de novembro de 2014

O vício tecnológico



Quantas vezes, por dia tocamos nosso telefone, nem que seja para ver as horas ou até mesmo conferir se há algo novo? A droga do vicio da tecnologia. Antigamente os pais reclamavam dos filhos que passavam horas em redes sociais e web sites, mas agora são os mesmos que se transformaram em usuários vorazes da rede tecnológica. Afinal, quem não se interessaria por um meio de comunicação mais rápido que as próprias ligações cerebrais? Eficiência, caros leitores. É disso que estamos falando!
A cada minuto, pesquisadores, vão atrás das necessidades da população, procurando empecilhos, coisas que elas não gostam que poderiam ser facilitadas. E no mesmo instante, técnicos criam um aplicativo para que sua necessidade, seja suprida. Que sua vida, seja facilitada.
E o que ganhamos com isso? Rapidez, agilidade e mais uma vez a magnifica eficiência. Mas, infelizmente, deixamos escapar os detalhes. As coisas boas e ricas da vida.
Eu apoio veemente o tempo de qualidade com a família. Não digo ir na missa todos os domingos, ou ir a um passeio. Tempo de qualidade, com conversa. Pode ser no quarto mesmo. Trocando ideias, contando sobre o dia, expondo sentimentos... Tudo se tornou muito banal, até mesmo o contato entre pais e filhos, que utilizam o whatsapp até para decidirem qual será o jantar.
E as caminhadas ao ar livre? Estamos tão ocupados com celulares, que acreditamos mais fácil  se exercitar em esteiras presos em academias, pois lá, há equilíbrio o suficiente para se manter conectado sem cair no chão.
Eu mesma, sou um efeito colateral do uso da tecnologia, após ter meu celular danificado, perdi o rumo. Tateio meus bolsos a procura de novidades e tudo o que encontro é um mini tijolo, que só serve para comunicação essencial. Por um momento, fiquei com medo, logo após, me questionei o porque. Ao ir na escola, descobri. Tudo é decidido, antes mesmo de acontecer, dentro de caixinhas que quase possuem vida. Isso me torna: Uma excluída, tecnologicamente falando, da sociedade.
Após perceber, que este fato, não me importa tanto.. Notei outras coisas, por exemplo: Física  não é tão difícil quanto parece. Ler livros estimulam a imaginação e até mesmo o bom humor; Pessoas são mais interessantes que as redes sociais que nos conectam. E digitar é tão cansativo quanto escrever. É tudo uma questão de hábito. Sem meu celular, meu tempo livre e minha mente, ganharam uma liberdade temporária que pretendo cultivar e prolongar por muito tempo!

quarta-feira, 19 de novembro de 2014

MAIS DE 1 ANO!

O titulo dá o recado por si! Sim! Um ano.Cheio de inseguranças, ousadias e até mesmo orgulho. Insegurança por querer agradar aos leitores. Afinal, que não gosta de ter seu trabalho aprovado? Ousadia por expor pensamentos, ideias, não ter medo do julgamento. E orgulho por que alguém em algum lugar se deu ao trabalho de ler, ao menos um ou até mesmo dois posts do blog... Isso significa algo muito bom.
Ando meio, muito, super preocupada. Mais uma vez estou com a corda no pescoço. Acho que a escola nunca foi meu forte. Sendo assim transponho todas as minhas energias em não reprovar.
Também tenho aproveitado meu tempo livre em outras atividades... Mais pessoais. Tenho trabalhado minhas dificuldades e como consequência superando conflitos internos. Mais um motivo para me orgulhar. Tempo de qualidade virou meu hobby, aproveitar ele.
E por essas e outras razões, me ausento por um maior espaço de tempo, mas em nenhum momento perdi o gosto por escrever!

#Comemorando