quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Autoconfiança


Diariamente, recebemos noticias, ou até mesmo temos casos em nossa própria turma na escola ou grupo de trabalho, de pessoas com bulimia, anorexia, depressão, entre tantas outras doenças causadas pelo bullying e desprezo compartilhado por pessoas do meio social. Recentemente, uma corajosa menina, fez um favor a nossa sociedade e quebrou um dos maiores tabus. Durante e após o evento - Garota Verão - tivemos diversos debates, pessoas apoiando e outras espalhando mensagens de ódio e preconceito, o que eu acho lamentável em pleno século XXI -  Pelo simples fato de a menina ser considerada "acima do peso". 
Padrões existem desde sempre, antigamente, magra era bonito, quando mais osso melhor. Atualmente, bumbuns e seios fartos ocupam capas de revistas e propagandas de produtos. Me pergunto diariamente: Quando isso irá parar? Mulheres americanas tem um padrão de corpo diferente das brasileiras, assim como o das russas, africanas, entre tantas outras origens. Não podemos generalizar. Esse assunto é discutido durante anos... E ainda não acabou. As vezes perco a esperança de acreditar que algum dia o preconceito terá fim.
Eu, como uma mulher fora do padrão, posso garantir que ser alvo de piadas ou até mesmo de ódio pelo simples fato de não ter um corpo "aceitável" é ridiculamente traumatizante. Demorou muitos anos até que eu finalmente olhei para o espelho e acreditei ser um pouco bonita, ou até para ter a confiança de usar um biquíni diferente.  Uma ex- colega, costumava discutir comigo, sem razão alguma e alegava que só ia parar quando eu "perder a minha pança". O que ela não tinha capacidade mental de compreender, é que eu AMO a minha pança. Demorou anos, mas eu consegui. 
Todas as mulheres são lindas de alguma forma, elas possuem sua beleza natural. Só precisam explora-la e ter confiança o suficiente para mostra-la ao mundo. E as pessoas malvadas, sempre irão existir, elas sentem o cheiro de autoconfiança e por instinto, tentam destruí-lo - mas nem sempre conseguem - estas serão amargas pelo resto da vida.
Me sinto orgulhosa por ser capaz de dizer: eu amo meu corpo e ver, que há mais pessoas se aceitando também.

Tarrachinhas e borrachinhas




Bem... Devo iniciar confessando: Por um tempo, me dei ao luxo de esquecer o politicamente correto, onde vão as vírgulas e os pontos finais, esqueci a diferença entre mas e mais, esqueci da lista de compras e das inseguranças cotidianas. Mas fiz questão de lembrar da minha receita de biscoito favorita, o número das minhas melhores amigas, o relógio e especialmente a boa educação. 
Férias sempre foram um período de descanso, sem planos, mas com a certeza do amanhã. Este ano... estou mais perdida que as tarrachinhas de brinco que perco em minhas noites de sono e borrachinhas de cabelo, que somem sem deixar rastro e me vejo obrigada a furtar as da minha mãe. Um leque de áreas se abre, minha escolha já foi feita, mas a espera por oportunidades é tão inquietante. Sei que é uma fase maravilhosa, porém é engraçado ficar mais ansiosa por uma ligação de alguma empresa, do que a ligação do namorado. Checar os e-mails a cada dias útil, a cada turno, na esperança de uma resposta. 
Apesar de estar na hora de "voar", acredito que qualquer adolescente, que esteja na mesma fase, se sinta como eu: "chutado do ninho".  Ainda que o apoio esteja sempre ali, não há mais aquela segurança de ter todas as contas pagas e os luxos sendo cobridos. A partir de agora, sou eu que assumo. 
No primeiro momento, tudo parece espetacular, a tão esperada independência financeira, sem precisar de autorização, nem ter que implorar por uns trocados a mais. Até que vem a primeira insegurança e vira o bote salva vidas que enchi com tanto carinho. Agora estou em alto mar, aguardando um salva-vidas, helicóptero, ou qualquer outro tipo de resgate. E tudo que ouço: "Isto é só o começo" "Paciência" "Logo aparece outra oportunidade". Ouvir os conselhos de mãe é tão complicado...
E a aventura continua...

segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Ano Novo



As coisas tomam as proporções que você dá a elas. Porque deixamos pequenas palavras nos torturarem por noites a fio? Ou até mesmo, porque nos sentimos desvalorizados por um trabalho do qual temos orgulho?
Tudo mudou, em uma época de transição, conflitos de tornaram mais evidentes, pois todos estão no mesmo livro, mas não na mesma página. Decisões devem ser tomadas e o futuro nos aguarda na próxima esquina. Qual será nosso limite? Do que sou capaz? Bem, vamos descobrir! As oportunidades batem incessantemente a porta, mas elas, como qualquer outro visitante, gostam de ser bem recebidas.
O tempo se esvaiu. Se dissolveu em momentos e agora é nada mais nada menos do que uma mera lembrança. Me arrependo de coisas que fiz e de coisas que eu não fiz também. Pessoas as quais não compreendo e pessoas que eu gostaria de ter o prazer de encontrar novamente ficaram num passado bem recente. Não vou dizer que sinto falta pois a ansiedade e a animação do que ainda está por vir não me permitem senti-la. Tantas promessas não cumpridas e laços rompidos... Mas não me arrependo
A indignação ficou para trás a insatisfação também, inclusive os medos. Agora a coragem está a frente, destemida, quero fazer algo grande, algo bom, fazer efeito na vida das pessoas de forma positiva. Quero analisar meu passado e ver o quanto cresci, ver coisas boas, quero rir e por conseguinte agradecer a cada nova conquista.
A vida seguiu por um caminho muito bom e devo admitir que me sinto orgulhosa e principalmente feliz. 2014 foi um ano repleto de conquistas, decisões e principalmente: conhecimento. Conhecer os limites, pessoais e alheios. Reconhecer a mim, aprender a lidar com as situações que me foram apresentadas e posso dizer que me saí muito bem. Algumas coisas e até mesmo pessoas... não mudam. Mas é como o velho ditado " Se a vida der um limão... Faça uma limonada ".
2015 chegou, um ano de testes. Um ano de plantação. Renovando as energias, muita positividade e animação. Um ano abençoado. Enfim, que não nos falte amor, nem felicidade... o resto... a gente dá um jeitinho.
                                 FELIZ ANO NOVO